Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Pessoas divorciadas devem ter acesso à Eucaristia?
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

A SANTA MISSA II PDF Imprimir E-mail

POR QUE IR À IGREJA?

Certo dia, Jesus contou a seguinte parábola a alguns que se consideravam justos e desprezavam os outros."Dois homens foram ao Templo para orar. Um era fariseu e o outro, publicano. O fariseu, de pé, orava interiormente desse modo: “Ó Deus, eu  lhe dou graças por que não sou como o resto dos homens: ladrões, injustos, adúlteros, e nem como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de todos os meus rendimentos”.

O publicano ficou um pouco para trás e não ousava sequer levantar os olhos para o céu, mas batia no peito, dizendo: Meu Deus tem piedade de mim, que sou pecador!”.

Aí, Jesus falou: “Eu vos digo que este último foi para casa justificado e o outro, não. Pois aquele que exalta será humilhado, e quem se humilha, será exaltado” (Lc 18, 9-14).

2 A IGREJA É A CASA DE DEUS

Igreja é lugar de recolhimento, de oração. Jesus ia ao Templo com seus pais e apóstolos.

Jesus nos diz em Mateus 18, 19-20, da importância da oração em comunidade.

O Pai nosso é uma oração comunitária. Revendo a história do Evangelho constatamos que o individualismo não se encontra presente. Logo, devemos ir à Igreja  orar em comunidade com nossos irmãos. A Igreja é o local próprio para a comunidade cristã se reunir. É a casa de Deus e do povo de Deus.

A palavra Igreja quer dizer, Assembléia.

A Missa foi sempre o centro da comunidade e o sinal da unidade, pois é celebrada por pessoas que receberam o mesmo batismo, vivem da mesma fé e se alimentam do mesmo pão.

Entrar no quarto fechado e orar não é errado, mas, não basta. Devemos ir à casa de Deus, orar com nossos irmãos em Cristo.

3- ORAR COM CORPO E ALMA

Age com os dois, simultaneamente. O seu olhar, as suas mãos, a sua palavra, o seu silêncio, o seu gesto... Tudo é expressão de sua vida.

Na Celebração Eucarística não podemos ficar isolados, mudos. Nossa fé e nossos sentimentos são manifestados através de gestos, palavras, canto, da posição do corpo e até do nosso silêncio.

4- GESTO, SINAL DE LIBERTAÇÃO INTERIOR

O canto e o gesto dão força à palavra. O corpo é a expressão viva da alma: uma alegria nos faz cantarolar.

A LITURGIA tem uma alma: a FÉ.. Toda a expressão do culto, sem a fé, é um corpo sem alma.

Os gestos são mencionados na Bíblia em momentos de oração.

Os Reis Magos, ao verem o Menino Deus, nos braços de Maria, “ajoelharam-se e o adoraram” (Mt. 2,9). São Paulo recomendou a oração com mãos levantadas.

A expressão corporal é colocada a serviço da Glória de Deus.

Existem normas para os gestos na Santa Missa. Ficar de pé, levantar-se, sentar-se, levantar as mãos, fazer a genuflexão.

Numa celebração, não pode qualquer um, fazer o gesto que quer.

O Missal Romano diz: “A posição comum do corpo que todos os participantes devem observar, é sinal da comunidade, da unidade da assembléia. Exprime e estimula os pensamentos e sentimentos dos participantes. Para que haja uniformidade nos gestos e posições do corpo, existem regras”.

Em Lucas 5, 12-13 , Jesus ouviu de um leproso: “o Senhor, tem o poder de curar-me!” E Jesus, estendeu a mão, tocou o leproso e lhe disse: Sim!  Eu quero! Imediatamente a lepra desapareceu.”

4- OS GESTOS e SEUS SIGNIFICADOS

SENTADO – Posição cômoda. Boa para ouvir leituras, a homilia, para meditar. É atitude de quem fica à vontade e ouve atentamente e com satisfação. Às vezes o celebrante faz a homilia sentado.

DE PÉ – Posição de quem ouve com atenção e respeito, com consideração pela pessoa que fala. Indica prontidão e disposição para obedecer. Em Ap. 7,9: Falando dos Bem-Aventurados, João vê uma multidão de pé, de vestes brancas diante do Cordeiro, que é Jesus.

DE JOELHOS – Os antigos cristãos ajoelhavam-se somente nas orações particulares. Depois, em penitência. Hoje, é a posição comum diante do Santíssimo Sacramento e durante a consagração do pão e do vinho. Significa adoração a Deus.

GENUFLEXÃO – É um gesto de adoração. Fazemos quando entramos na Igreja e quando saímos, quando há sacrário. Na sexta-feira Santa a fazemos, em sinal de adoração, não à cruz, mas a Jesus.

INCLINAÇÃO – sinal de respeito e adoração, diante do Santíssimo Sacramento. Os fiéis podem inclinar a cabeça para receber a Benção Solene.

PROCISSÃO – Podemos fazer várias, se conveniente:

Na entrada do Presidente da Celebração, no Evangelho, no ofertório, na Comunhão.

A história da Salvação começou com uma Procissão. Abraão e sua família a caminho da Terra Prometida. As procissões simbolizam a peregrinação do Povo de Deus para a Casa do Pai.

MÃOS LEVANTADAS – Atitude de orante. Significa súplica. Entrega a Deus. É o gesto aconselhado por Paulo a Timóteo: “Quero pois, que os homens orem em qualquer lugar, levantando ao céu as mãos puras, sem iras e sem contendas”. (1Tm. 2,8)

MÃOS JUNTAS – Significam recolhimento interior. Fé, súplica, confiança, entrega da vida. É uma atitude de piedade.

PROSTRAÇÃO – Os orientais se prostravam com o resto na terra para orar. Jesus fez isso no Horto das Oliveiras. Hoje, é atitude própria de quem se consagra a Deus, como na Ordenação Sacerdotal. Significa morrer para o mundo e nascer para Deus com a vida nova e nova missão.

SILÊNCIO – É de grande valor na oração. Ajuda a concentração e os aprofundamentos nos mistérios da fé.: “O Senhor fala no silêncio do coração”. Devemos silenciar após as leituras, após a homilia e a Comunhão.

É interiorização. Meditar e participar. Uma missa sem momentos de silêncio seria como a chuva forte e rápida, não penetra. 

JMJ