Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Você concorda com a condenação da Igreja ao uso de preservativos?
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

A Última Comunhão do Marechal PDF Imprimir E-mail

Se já durante a vida, a santa Communhão, recebida com fé e devoção, enche a alma de consolo e a conforta para a luta, mais sensivelmente notaremos estes admiráveis effeitos na derradeira communhão, sobre o leito de morte.

Esta é um verdadeiro viatico que anima, consola e conforta.

Entre os numerosos exemplos que a história registra, quero apenas citar o seguinte:

O grande Marechal Radetzki, um dos maiores cabos de guerra que a história conhece, adoeceu gravementeem Verona, preparando-se devidamente para a última luta, a mais renhida e mais importante de toda a sua vida.

O Bispo Kiccabona de triestre administrou-lhe o Santo Viático.

O Marechal recebeu-o com profunda devoção, segurando na sua dextra erguida o santo rosário.

Manifestou em voz alta sua fé e seu amor a Jesus Sacramentado, edifficando e commovendo até às lágrimas, todas as pessoas presentes.

Passado uma hora, pediu que o senhor bispo o visitasse novamente.

Quando o digno prelado entrou, o Marechal estendeu-lhe os braços, e com o resto resplandecente de interna alegria, disse:

“Senhor Bispo, vinde, quero abraçar-vos! Alegria tão profunda e tão suave, jamais experimentei em toda a minha vida, como a que senti ao receber a Jesus como viático para a minha viagem à eternidade.

O santo Viático, tão cheio de doçuras parece-me a grande recompensa da Communhão freqüente durante a minha vida”.

Ah! Quem não deseja, na hora do último combate na hora das angústias e das aflições, na última agonia as doçuras da presença de Jesus, nosso fiel migo e companheiro! Procuremos merecer tal graça pela Communhão freqüente.

 

JM