Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Celibato dos Sacerdotes
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Bispo mexicano questiona "qualidade da fé" de católicos PDF Imprimir E-mail
Escrito por ACI   
O Bispo de Celaya (México), Dom Lázaro Pérez Jiménez, questionou "a qualidade da fé" dos católicos e os alentou a ter presente a necessidade do "exame sincero de consciência diante de Deus" para viver a vida cristã de maneira intensa.

Em uma carta com data 4 de julho, o Prelado denunciou que "uma alta percentagem de católicos o são por tradição e não por uma decisão pessoal". Por isso, precisa, "facilmente abandonam suas práticas de culto mais elementares e se deixam seduzir pelos novos movimentos religiosos ou pelas condutas próprias do ambiente pagão que se esquece de Deus".

No caso de quem diz acreditar em Deus, explica, "o quer segundo a própria medida, que não inquiete a ninguém e, em especial, que lhe permita caminhar tranqüilo pelo mundo sem olhar aos tantos cansados que esperam de bons samaritanos dispostos a tender as mãos para sarar feridas causadas pela injustiças que cometem os mesmos católicos que acreditam poder viver sem o mandato do amor e o dever da justiça".

Dom Pérez comenta logo que "dá lástima observar, também, a participação no ato de culto mais belo e sagrado de nossa fé católica, como o é a Eucaristia, memorial da ação redentora de Jesus Cristo acontecida em sua morte que, de maneira incruenta se revive em cada celebração".

"De fato, cada vez são menos os que assistem e, se por acaso for pouco, sem deixar de reconhecer aos bons praticantes, pode-se observar pessoas que não sentem respeito pelas coisas sagradas. Há quem se passa conversando o tempo todo ou daqueles a quem custa entrar no templo ou a passam mastigando chiclete", acrescenta.

"E o que dizer do matrimônio, do sacramento da confissão, da oração, do respeito ao próximo, do pudor no vestir, do dever de falar sempre com a verdade e transparência, do amor preferencial aos mais pobres, etc", questiona.

Finalmente indica que "de submeter estas condutas a um controle de qualidade, muito poucos passaríamos o teste, e ter presente que para nós os fiéis católicos o controle de qualidade se chama exame sincero de consciência diante de Deus".