Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Celibato dos Sacerdotes
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Eucaristia e Romaria PDF Imprimir E-mail
Escrito por Dom Sinésio Bohn   
"As rupturas na história da Igreja aconteceram porque não se deu o devido valor à comunhão. Valorizaram-se demais outros aspectos da nossa tradição em detrimento da unidade."

 Conta a Sagrada Escritura que o profeta Elias, desanimado e faminto, deitou-se na sombra de um arbusto para morrer. O anjo do Senhor apareceu-lhe e disse: “Elias, levanta-te e come. O profeta levantou-se, comeu e caminhou quarenta dias e quarenta noites.

Jesus disse de si mesmo: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Se alguém comer desse pão, viverá para sempre. O meu corpo é o pão que eu darei para que o mundo tenha vida” (Jo 6, 51).

E na última ceia Jesus tomou o pão e disse: “Tomai e comei; isto é o meu corpo. Fazei isto em memória de mim” (Lc 22, 19).

A 4ª Romaria da Diocese de Santa Cruz do Sul, dia 11 de setembro, terá como centro de sua reflexão justamente a Eucaristia, acolhendo o lema do Congresso Eucarístico de Florianópolis (18 a 21 de maio de 2006): “Eucaristia: Ele está no meio de nós”.

Quem não cansa ou desanima na jornada da vida, como Elias? Pois o convite é o mesmo: levanta-te e come!

Também nós somos caminheiros nesta vida rumo ao santuário definitivo da Jerusalém celeste. Fazemos nossa ação de graças porque “Ele está no meio de nós”.

Caminhamos em romaria, juntos, porque somos um povo; o povo de Deus. A romaria é, por isso mesmo, um testemunho de nossa comunhão na fé.

Como Bispo Diocesano fui a Roma e disse a Bento XVI: A Igreja de Santa Cruz do Sul está em comunhão com Pedro. Este elo de comunhão é parte da missão do bispo na Igreja.

As rupturas na história da Igreja aconteceram porque não se deu o devido valor à comunhão. Valorizaram-se demais outros aspectos da nossa tradição em detrimento da unidade.

Durante a audiência com o novo Papa, dia 31 de agosto, estava a meu lado o Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianey – Dom Fernando Arêas Rifan. Seus fiéis, inicialmente fautores, agora se afastaram do cisma do Bispo Lefebvre, conservador que não aceitava o Concílio Vaticano II. Perguntei a ele: o que vai dizer ao Papa? E Dom Rifan: “Os fiéis da nossa Administração Apostólica estamos em comunhão com o Papa”. Eu fiz o mesmo. E o Papa se alegrou visivelmente.

Num tempo em que se desagregam as instituições, quando se dá valor supremo ao individual em detrimento do comunitário, os romeiros queremos celebrar nossa unidade eclesial.

Somos convidados a renovar nossa fé na Eucaristia, dela nos alimentarmos e adorar a Cristo eucarístico.

Mais uma vez nos fazemos peregrinos e caminhamos da Igreja dos Santos Mártires das Missões até a Cruz Redentora, primeiro núcleo do Santuário da Santa Cruz. Convido o povo da fé a nos unirmos na ação de graças pela Eucaristia. Ele está no meio de nós.