Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Pessoas divorciadas devem ter acesso à Eucaristia?
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

FOI PREGAR AOS MORTOS... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Hugo Ferreira Pinto   

            É artigo de fé do nosso Credo: Jesus, com sua alma, enquanto o corpo
estava no túmulo, "desceu à mansão dos mortos" ou "desceu aos Infernos",
também o Inferno dos condenados, para subjugar os demônios.

            Na primeira Carta de S.Pedro lemos que Jesus, "efetivamente morto
segundo a carne, mas vivificado pelo Espírito... foi pregar aos
espíritos que estavam no cárcere (Limbo), os quais tinham sido
incrédulos nos dias de Noé... (3,19-20).

            Trata-se, diz a Bíblia em nota, dos "justos que morreram pelo Dilúvio,
entre os quais houve os que se arrependeram dos seus pecados, embora
esse arrependimento tardio, tendo salvado a alma, não serviu para salvar
o corpo da morte."

            "Por isso foi o Evangelho pregado também pregado aos mortos: para que,
depois de terem sido julgados diante dos homens segundo a carne,
vivessem segundo Deus quanto ao espírito." (1 Ped 4,6).

            O Catecismo da Igreja Católica traz, a esse respeito, precisões admiráveis:

            "Jesus conheceu a morte como todos os seres humanos e com sua Alma
esteve com eles na Morada dos Mortos. Mas para lá foi como Salvador,
proclamando a boa notícia aos espíritos que ali estavam aprisionados."

            "A Morada dos Mortos para a qual Cristo morto desceu, a Escritura a
denomina os Infernos, o sheol  ou o Hades, visto que os que lá se
encontram estão privados da visão de Deus. Este é, com efeito, o estado
de todos os mortos, maus ou justos, à espera do Redentor, o que não
significa que a sorte deles seja idêntica, como mostra Jesus na parábola
do pobre Lázaro recebido no 'seio de Abraão'. São precisamente essas
almas santas, que esperavam o seu Libertador no seio de Abraão que Jesus
libertou ao descer aos Infernos."

            Quanto ao Inferno propriamente dito, Jesus desceu lá, porém "não para
libertar os condenados nem para destruir o Inferno da Condenação." (tudo
cf. Catecismo n°632-633).

            E, no 635: "Um grande silêncio reina hoje sobre a terra, um grande
silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei dorme. A
terra tremeu e acalmou-se porque Deus adormeceu na carne e foi acordar
os que dormiam desde séculos... Ele vai procurar Adão, nosso primeiro
Pai, como uma ovelha perdida. Quer visitar todos os que se assentaram
nas trevas e à sombra da morte. Vai libertar de suas dores aqueles dos
quais é filho e dos quais é Deus: Adão acorrentado e Eva com ele cativa.
'Eu sou teu Deus, e por causa de ti me tornei teu filho. Levanta-te, tu
que dormes, porque não te criei para que fiques prisioneiro do Inferno
(Limbo). Levanta-te dentre os mortos, eu sou a Vida dos mortos."

            Estando Jesus nesta faina, eis que chega lá, também, a alma do bom
ladrão, São Dimas, e Jesus cumpre a sua promessa: "Hoje estarás Comigo
no Paraíso".