Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Você concorda com a condenação da Igreja ao uso de preservativos?
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Jesus dá a Saúde a uma Mocinha PDF Imprimir E-mail

Augustinha Monrette era órfã de mãe. Seu pai era rico viticultor. Ainda criança, ficara paralítica e nem podia falar. Chegou a tão lastimável estado que, se não respirasse, morreria. Durante dezoito longos anos viveu na cama sem poder mover-se e desenganada. Assinou, nessa época a “Concordata”, do Papa Pio VII com Napoleão Bonaparte. Abriram-se, então novamente as Igrejas, fechadas pela tirania dos revolucionários franceses.

Os católicos festejaram com entusiasmo a liberdade do culto. Também em Creteil quiseram celebrar condignamente o acontecimento, que coincidia com a festa do Corpo de Deus . Planejaram uma solene procissão. Enquanto nas ruas, erguiam altares e enfeitavam as fachadas das casas, certa mocinha teve uma brilhante idéia. Lembrava de passagens do Evangelho, que narravam como Jesus passava pelas ruas curando doentes. - Então, dizia ela consigo mesma: - Este Jesus, passando amanhã perto da casa da minha pobre amiga, não poderá dar-lhe saúde? Por que não suplicar que lhe conceda esta graça? Apresentou a sua idéia às suas amigas, que concordaram e falou com a doentinha, que sentiu sua fé aumentar, assim como sua confiança em Jesus. No dia do Corpo de Deus, prepararam a doente com seu melhor vestido e a colocaram numa cadeira de encosto. Levaram-na ao meio do povo e a colocaram próximo ao altar.

Os festivos repiques dos sinos, o estalar dos foguetes, o som da música e as vozes dos cantores anunciaram que a procissão se aproximava. Na hora da Benção do Santíssimo Sacramento, as amigas, colocaram a cadeira da doente em frente ao altar. Rodearam-na em meio círculo e, em voz alta, começaram a suplicar a Jesus que se dignasse dar saúde à sua querida companheira. Jesus ouvirá as súplicas dessas mocinhas de branco? A praça estava repleta. Milhares de pessoas tinham os olhos fitos em Jesus Hóstia e na menina. Foi um momento de expectativa comovente. O sacerdote impressionado pela fé e confiança dessas meninas uniu-se às suas preces. Em voz alta dirigiu-se a Jesus numa fervorosa súplica. As moças responderam:

“Amém!” Amém! Na grande praça ecoaram vozes da multidão. De repente, a doente se levanta, ajoelha-se no duro chão, sente-se restabelecida, completamente. O povo aclamou e em altas vozes manifestou sua fé e gratidão a Jesus Sacramentado que , por meio deste grande milagre, mais uma vez atestava a Sua presença real na Hóstia Santa, mostrando ao mesmo tempo que o Seu coração continua cheio de bondade e misericórdia para todos os que o invocam.

14 - Extraído do livro: LEITURAS EUCARÍSTICAS – 1935 Ed. Vozes Frei Mariano Wentzen OFM - Livro cedido pela dileta amiga Geralda Maia de Caxambu MG. Colaboração de Lourdinha Salles e Passos, Niterói RJ 14