Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Sacerdócio Feminino
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Mãe PDF Imprimir E-mail

Luiz Tadeu Dias Medeiros (*)


Mãe – palavra que no português tem apenas três letras, mas de um significado grandioso, pois além de exprimir  aquela mulher ou qualquer fêmea que deu à luz a um ou mais seres vivos, sejam eles humanos ou animais, divinizou-se no significado, quando passa a retratar a “Mãe de Deus”, a “Nossa Senhora” ou simplesmente “a Maria do Céu”.

Ela através da  Eva bíblica também tem o significado da origem da humanidade e do início da vida, pois tanto na semântica  quanto na exegese   assim retrata, inclusive servindo de figura poética.

É pois, numa linha poética que a mãe compara-se a uma árvore sofrida das regiões castigadas pela seca ou pelo frio rigoroso, que renascem e voltam a crescer depois de cada inverno. Ainda, podem ser comparadas a força e o vigor com que as árvores podadas refazem sua folhagem e voltam a florir.  As mães se parecem e muito com estas árvores sofridas, pois a vida as poda e as castiga, leva seus frutos e flores que elas entregam sem queixumes...

No entanto, há nelas uma força tão poderosa e exuberante, que sempre brotam outras vezes em ramagens viçosas de muito amor, retratadas por milhares de flores de ternura, e muitos frutos de doação e denodo.

As mães na sua velhice, mesmo podendo ser troncos cansados, ainda podem soltar novos ramos, e quanto mais velhos ficam, mais doces são seus frutos.

A mãe como mulher deve ser pois, valorizada e apoiada, pois Maria Santíssima  é mulher.   É  “a bendita entre todas as mulheres “ (Lc 1,42), tendo sido através dela que Deus dignificou as mulheres, elevando-as a uma dimensão não imaginável.  Foi ainda em Maria que a “boa nova” do evangelho do Cristo – seu único e eterno Filho, penetrou  nas mulheres e a partir dele consegue distribuir feminidade, exaltando-as e  redimindo-as dos revezes que elas sofreram e sofrem ao longo da história da humanidade.

Maria se mostrou mãe humana quando sentiu a falta do Filho perdido na multidão, então a serviço do Pai no Templo.  Também se fez presente na divinização do Filho, quando nas Bodas de Caná disse: “Fazei o que Ele  vos disser ”  ( Jo 2,5), ou ainda no sofrimento ao pé da cruz.

Por tudo isso é que  pergunta-se as mães, mesmo que  podadas na dor, no cansaço e nos trabalhos diuturnos de sua vida familiar, onde elas encontram a seiva que nunca as deixa murchar ?  A resposta pode ser muito simples:  é que estas árvores-mães fincam raízes profundas no sentimento do amor, e com muita certeza são alimentadas pelos sais e adubos do coração do ser criador – o Deus Pai.


(*) Eng. Civil e Professor Universitário
Membro da Pastoral da Liturgia
Paróquia Sagrado Coração de Jesus
Mandacaru – João Pessoa (PB)
e-mail; Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.