Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Sacerdócio Feminino
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Menino Jesus de Cartolinha PDF Imprimir E-mail
Escrito por Bete Garcia   



Por volta do ano 1711, durante a Guerra da Restauração, os espanhóis fizeram um cerco, que durante vários dias, deixou isolados os habitantes da cidade de Miranda do Douro. Os portugueses ficaram sem mantimentos e munições, para poder resistir e pensaram que nada mais restava a fazer, do que render-se definitivamente ao domínio invasor.

Conta à tradição popular, que um menino desconhecido, com um chapéu de palha na cabeça, apareceu pelas ruas gritando e apelando ao povo, para que se revoltasse contra os espanhois que os cerceavam. Ao verem uma criança, agindo dessa forma, o povo ganhou o alento que lhe faltava.

Num instante todos saíram à rua - uns com enxadas, ancinhos e forquilhas, outros com paus, cutelos e machados - unindo-se às tropas fragilizadas da restauração. E assim conseguiram afugentar e vencer os invasores.

Terminada a luta, o povo procurou pelo menino brincalhão, o do chapeuzinho de palha. Queriam homenageá-lo, agradecer pelo que houvera feito, ao incentivar a todos à resistirem à invasão dos espanhois.

Mas onde fora parar o tal menino de chapéu de palha? Ninguém conseguia mais encontrá-lo, quem seria ele, se perguntavam. As perguntas ficavam sem respostas. Será que o menino realmente existia, ou era imaginação?

Conta a tradição popular, que a criança realmente existiu e que era o Menino Jesus que ali estivera, por um milagre, para salvar a cidade.

Dizem ainda, que a noiva de um oficial das tropas portuguesas, morto nesta batalha, resolveu mandar fazer um uniforme militar igual ao do seu amado, para vestir a imagem, com direito à condecoração no peito, espada de prata na cintura e a célebre cartola.

Foi assim que nasceu a tradição de ofertar em pagamento de promessas, trajes para vestir a imagem do Menino Jesus, venerada na Catedral daquela cidade. O "enxoval" da imagem é muito grande, e de tempos em tempos, as roupas são trocadas, mas sempre complementadas, pela cartolinha, que substituiu o chapéu de palha, por ser mais adequada a um uniforme militar de gala.

Quem quizer conferir, é só fazer uma visita à bela Sé do século XVI, e lá terá a oportunidade de conhecer a pequena imagem, esculpida em madeira, única de que se tem notícia no mundo, que venera um Menino Jesus de Cartolinha.

Rio de Janeiro, 28 de novembro de 2003

Bete Garcia