Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Sacerdócio Feminino
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Perda de fiéis faz católicos questionarem 'politização' PDF Imprimir E-mail
A fuga de fiéis da Igreja Católica, apontada há pouco pelos resultados do Censo 2000, vem provocando análises e debates no interior da instituição. Procuram-se explicações para a diminuição do número de católicos, que representavam 83,8% da população em 1991 e hoje somam 73,8% - um declínio de 10 pontos porcentuais. A tendência predominante é atribuir a perda à rápida urbanização do País, que causou mudanças de comportamento na população, com reflexos na área religiosa. Mas há vozes discordantes. Uma delas é a do bispo diocesano de Jundiaí, interior de São Paulo, d. Amaury Castanho. Para ele, uma das principais razões da queda foi a exagerada politização da Igreja no Brasil durante os últimos 30 anos.

Esse foi o período em que a ala progressista do episcopado determinou os rumos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Para d. Amaury, também foi o tempo em que predominou a Teologia da Libertação, que confere mais ênfase a questões sociais e políticas do que à evangelização no sentido clássico, definido pelo bispo como ''o anúncio explícito da pessoa de Jesus Cristo e do projeto de salvação''.

D. Amaury tem dito, em artigos que divulga em sua dioceses e em entrevistas, que embora falassem em ''opção preferencial pelos pobres'', os teólogos da libertação adotaram uma posição excludente, afastando da Igreja as classes mais abastadas. Curiosamente, segundo observações do bispo, os pobres não entenderam essa opção e acabaram virando as costas para o catolicismo: ''O trabalho da Teologia da Libertação, por meio das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) concentrou-se principalmente nas periferias das cidades, nos bairros mais pobres. Não deixa de ser irônico que a maior perda de fiéis ocorreu nesse meio, entre as classes C e D.''

Vulnerabilidade - Os pobres, segundo o bispo de Jundiaí, ''esperavam uma palavra de fé'' e não ''posicionamentos político-partidários de esquerda''. Eles teriam ficado mais vulneráveis aos apelos dos evangélicos - que adotaram uma linha agressiva de proselitismo religioso, com o uso intenso de emissoras de rádio e de TV.

As opiniões de d. Amaury batem de frente com as de outros observadores. Há poucos dias, durante uma reunião da cúpula da CNBB, em Brasília, o sociólogo e diretor-executivo do Centro de Estatística Religiosa e Investigações Sociais (Ceris), Luiz Alberto Gómez de Souza, apresentou uma visão mais tranqüilizadora para os bispos. Num texto distribuído no encontro, afirmou que a perda ocorreu principalmente entre católicos nominais, aqueles que dizem pertencer à Igreja mas não são praticantes. Os católicos verdadeiros teriam permanecido.

Em entrevista ao Estado, o sociólogo disse não perceber relação entre a opção da Igreja pelos pobres e a perda de fiéis. Para ele, é arriscado estabelecer relações tão diretas entre causa e efeito, porque há múltiplos fatores em jogo. ''O Estado em que houve maior redução na porcentagem de católicos foi o Rio, onde as CEBs não tiveram grande desenvolvimento. Por outro lado, em São Paulo, onde o trabalho das CEBs é forte, houve menos perda.''

O sociólogo do Ceris faz parte de um grupo de observadores que tem opinião oposta à do bispo de Jundiaí: para eles, a Teologia da Libertação e as CEBs teriam dado um maior dinamismo à Igreja e evitado que a perda fosse maior do que a registrada pelo Censo. Num artigo publicado na semana passada pelo Estado, o escritor dominicano Frei Beto observou: ''Estados onde as CEBs se multiplicaram ocupam os dez primeiros lugares no ranking das populações católicas.''

Renovação - Para outros observadores, porém, o que estancou a perda de fiéis não foram as CEBs, mas outros movimentos católicos não tão envolvidos com questões sociais e políticas. O sociólogo Ricardo Mariano, estudioso da questão religiosa, afirma que a Renovação Carismática Católica (RCC) foi a grande arma da Igreja para conter o avanço evangélico.

Construída a partir de pequenos grupos de oração, com ênfase em aspectos do catolicismo mais popular, como a crença em milagres, a RCC tem prosperado sobretudo entre a classe média, que teria sido esquecida pelas CEBs. Também prosperaram na última década movimentos católicos de perfil mais conservador, como Comunhão e Liberdade, o dos focolares e o dos neocatecumenais. No caso de São Paulo também deveria se levar em consideração a presença do padre Marcelo Rossi, um fenômeno de comunicação de massa, com mensagens católicas tradicionais. Por essa perspectiva, o que teria impedido uma queda maior seria a diminuição do grau de envolvimento com a política.

Os comentários de d. Amaury seguem uma linha de pensamento já apresentada no livro A Igreja Através dos Tempos, lançado recentemente. No texto sobre catolicismo no Brasil, ele havia escrito que ''a releitura política da Bíblia'' fez a Igreja perder ''multidões de pobres e, certamente, inúmeros 'possuídos', agredidos por uma opção excludente e antievangélica''.

O bispo de Jundiaí é uma das poucas vozes no interior da CNBB que criticam abertamente o envolvimento da Igreja com organizações como o Movimento dos Sem-Terra. Para ele, a instituição é fortemente influenciada por assessores de inspiração ideológica mais à esquerda do que o desejado por ele.

Tendência - De fato, o conjunto dos assessores da CNBB pende mais para a esquerda do que para o centro ou a direita. Um dos lugares onde se vê isso claramente são os boletins com análises de conjuntura produzidos a cada dois meses pela assessoria e distribuídos aos bispos: têm o teor e o tom de textos de partidos de esquerda. No último deles, a derrota da esquerda na França foi demoradamente lamentada, com o subtítulo Lições a Aprender no Brasil.

Sobre a eleição à Presidência em 2002, os assessores deixam clara sua posição: ''Como será a ruptura com tudo aquilo que aos poucos vai transformando o País em entreposto dos grandes interesses internacionais, organizados através de políticas neoliberais, concentração de riqueza e sacrifício imenso para a maioria da população? Sente-se pelas pesquisas que a população está a indicar que soou a hora da mudança.''