Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Pessoas divorciadas devem ter acesso à Eucaristia?
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Reconhecimento de Milagre de Deus por João Paulo II PDF Imprimir E-mail
Escrito por Elbson   

Decreto Pontifício pelo qual se reconhece um Milagre atribuído ao Venerável Servo de Deus Josemaría Escrivá de Balaguer

O Venerável Josemaría Escrivá de Balaguer nasceu em Barbastro (Espanha) a 9 de Janeiro de 1902. O seu carisma eclesial específico consiste em proclamar com vigor a radicalidade da vocação baptismal como vocação à santidade. No dia 2 de Outubro de 1928, movido por Deus, fundou o Opus Dei; pouco depois, a 14 de Fevereiro de 1930, entendeu, com a graça de Deus, que o Opus Dei devia desenvolver também o seu apostolado entre mulheres e, a 14 de Fevereiro de 1943, igualmente movido por Deus, fundou a Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz. Assim se abria aos fiéis de todas as condições – sacerdotes e leigos, homens e mulheres de todas as classes sociais -, um vasto caminho de santificação no meio do mundo, sem necessidade de mudar de estado, no desempenho do trabalho profissional e no cumprimento fiel dos deveres quotidianos. Depois de ter dirigido com incansável zelo a difusão do Opus Dei nos cinco continentes, Mons. Escrivá de Balaguer entregou piedosamente a sua alma a Deus a 26 de Junho de 1975, em Roma, rodeado de ampla fama de santidade.

Nos extraordinários frutos que a sua mensagem, plasmada numa realidade pastoral sólida e orgânica, suscitou em todas as latitudes, o Senhor concedeu-lhe contemplar a admirável fecundidade salvífica que se encerra na busca da união plena com Cristo nas actividades comuns, orientadas para a cristianização do mundo ab intra.

Na altura da sua morte, inúmeras vozes se elevaram em todos os países para testemunhar o heroísmo de que tinha dado provas ao longo da vida. Cumpridas todas as prescrições jurídicas, a 9 de Abril de 1990, o Santo Padre João Paulo II dignou-se promulgar o Decreto sobre o exercício heróico das virtudes do Servo de Deus.

Dezenas de milhares de favores, espirituais e materiais, alguns deles manifestamente extraordinários, vieram de seguida a confirmar a extensão da sua fama de santidade e do seu poder de intercessão perante Deus. Entre as curas prodigiosas que lhe são atribuídas, destaca-se a da Irmã Concepción Boullón Rubio, Carmelita da Caridade, de 70 anos: estando à beira da morte, numa noite de Junho de 1976, como resultado de invocações dirigidas ao Servo de Deus, curou-se de modo repentino, com efeito total e permanente, de uma doença cujo diagnóstico tinha sido descrito pela Junta Médica da Congregação para as Causas dos Santos como Lipocalcinogranulomatose tumoral em sujeito de raça branca com localizações múltiplas dolorosas e incapacitantes, com o volume máximo de uma laranja no ombro esquerdo. A essa doença, juntava-se uma patologia concomitante, diagnosticada pela Junta Médica nos seguintes termos: Estado caquético em paciente com úlcera gástrica e hérnia de hiato complicada por uma grave anemia hipocrómica. Na altura em que desapareceram as tumefações, esta segunda doença melhorou também, de modo repentino e inexplicável, até desaparecer definitivamente. A mesma Junta estabeleceu que o prognóstico era gravemente reservado quoad vitam e quoad valetudinem.

Sobre esta cura prodigiosa foi instruído um Processo cognitivo na Cúria Arquidiocesana de Madrid, de 21 de Janeiro a 3 de Abril de 1982, que recebeu o decreto de validade da Congregação para as Causas dos Santos a 20 de Novembro de 1984.

De acordo com as prescrições do direito, o caso foi submetido em primeiro lugar ao exame da Junta Médica já citada, que, na reunião de 30 de Junho de 1990, concluiu por unanimidade que a cura da Irmã Concepción Boullón Rubio não era explicável por causas naturais.

O estudo da cura passou depois à discussão teológica: numa primeira fase, no Congresso peculiar dos Consultores Teólogos, que teve lugar a 14 de Julho de 1990, sob a direcção do Rev.mo. Mons. Antonio Petti, Promotor Geral da Fé; depois, a 18 de Junho de 1991, na Congregação Ordinária dos Cardeais e Bispos, reunida no Palácio Apostólico, sendo Relator o Emmo. e Rev.mo. Cardeal Édouard Gagnon. Os dois organismos deram resposta positiva unânime à questão da consistência do milagre e à sua atribuição ao Venerável Josemaría Escrivá de Balaguer.

O Sumo Pontífice João Paulo II, depois de ter recebido do Cardeal Prefeito abaixo assinado uma relação pormenorizada e fiel de tudo o que se acaba de expor, acolhendo e ratificando os votos da Congregação, ordenou que fosse promulgado o Decreto sobre a cura prodigiosa anteriormente referida.

Cumprida esta indicação e convocados para a data de hoje o Cardeal Prefeito, o Relator da Causa, o Secretário abaixo assinado e outros, segundo o costume, o Santo Padre declarou na presença dos assistentes: Existem provas do milagre realizado por Deus através da intercessão do Venerável Servo Josemaría Escrivá de Balaguer, Sacerdote, Fundador da Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz e do Opus Dei; isto é, da cura instantânea, perfeita e permanente da Irmã Concepción Boullón Rubio, Carmelita da Caridade, de lipocalcinogranulomatose tumoral em sujeito de raça branca com localizações múltiplas dolorosas e incapacitantes, com o volume máximo de uma laranja no ombro esquerdo; e de estado caquético em paciente com úlcera gástrica e hérnia de hiato complicada por uma grave anemia hipocrómica.

O Santo Padre determinou que este Decreto fosse tornado público e incluído nas actas da Congregação para as Causas dos Santos.

Dado em Roma, a 6 de Julho de 1991

ANGELUS Card. FELICI
Prefeito

L + S
EDWARD NOWAK, Archiep.tit.de Lunensis,
Secretário

Disponibilizado pelo Gabinete de Informação do Opus Dei na Internet