Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Pessoas divorciadas devem ter acesso à Eucaristia?
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

SANTA MARIA MADALENA NÃO FOI A “PECADORA ARREPENDIDA” PDF Imprimir E-mail
Escrito por Haroldo Bastos Lourenço   
Uma nova visão sobre Maria Magdalena aqui claramente demonstrada com base única na verdade histórica contida nos Santos Evangelhos, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João.

O Equívoco sobre Magdalena

Desde há muitos séculos comete-se clamorosa injustiça contra Santa Maria Magdalena, atribuindo-se-lhe conduta libertina. Erram todos aqueles ao considerarem tratar-se da “pecadora arrependida” molhando os pés de Jesus com suas lágrimas, enxugando-os com os próprios cabelos, ungindo-os com óleo perfumado, cena que de fato ocorrida não só uma vez, porém em duas ocasiões diferentes, em lugares distintos, e praticada por duas mulheres, não sendo qualquer delas a pessoa de Santa Maria Magdalena, como claramente iremos demonstrar com base única na verdade histórica contida nos Santos Evangelhos, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João.

As duas unções

De início, cumpre assinalar na descrição dos fatos, os Evangelistas formarem dois grupos. De um lado, no capítulo 7: 37-38 refere-se Lucas única e isoladamente à unção feita pela “pecadora arrependida”; e de outro lado, Mateus, Marcos e João nada mencionam sobre a “mulher de má vida”, porém retratam uma outra e semelhante
ocorrência: "Jesus ungido em Betânia", (nessa ordem, capítulos 26: 6-13; 14: 3; 12:3).

Feito o relato, passemos às provas irretorquíveis da honra e dignidade inatacáveis da vida de Santa Maria Magdalena, primeiramente demonstrando, para melhor compreensão, a separação das duas unções ocorridas em lugares diversos e em diferentes épocas.

Os dois locais das unções

Quanto aos lugares, conta São Lucas (capítulo 7: 37-38) encontrar-se Nosso Senhor Jesus Cristo na cidade em casa de um fariseu por nome Simão, onde fora convidado a cear: “E eis que uma mulher da cidade, pecadora, sabendo que Ele estava à mesa na casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com ungüento e, estando por detrás, aos pés chorando, regava-os com suas lágrimas e os enxugava com seus próprios cabelos; e beijava-lhe os pés e os ungia com o ungüento”. Em seguida, o relato sagrado fala que Nosso Senhor após propor ao fariseu a parábola do “credor e seus dois devedores”, versículos 48-50 – “Então disse à mulher: Perdoados são teus
pecados”, “A tua fé te salvou; vai-te em paz.”

Ora, Mateus e Marcos (respectivamente, capítulos 26: 6 e 14: 3) atestam que a outra e segunda unção do Divino Mestre deu-se em diverso local, na Aldeia de Betânia: em “casa de Simão, o leproso” e não na “cidade” em casa de Simão o fariseu, como afirma São Lucas sobre a pecadora. Betânia distava cerca de 15 estádios (2.800 metros) de Jerusalém (João 11: 18).

Assim, fica claramente posto haver acontecido cenas idênticas, mas em lugares diversos.

As duas épocas das unções

Tratemos da situação dos fatos no tempo, demostrando-se terem ocorrido em diferentes ocasiões, para depois comprovarmos não se encontrar Santa Maria Magdalena em nenhum dos citados locais, nem em casa do fariseu na cidade, nem em casa do leproso na Aldeia Betânia.

A situação cronológica dos acontecimentos mais ainda torna diferençado um episódio do outro, evidenciando a ocorrência das duas unções em épocas distanciadas uma da outra. A unção em Betânia, ocorreu poucos dias antes da Páscoa, já findando a pregação do Evangelho, tanto assim que:

Mateus e Marcos assinalam “dois dias” antes da Páscoa (capítulos 26: 2; 14: 1); João refere-se a: “Seis dias antes da Páscoa, foi Jesus para Betânia, onde estava Lázaro, a quem ressuscitara dentre os mortos.” (capítulo 12: 1). Como é sabido, logo após aquela festividade religiosa, mencionada nas Escrituras como “A Santa Ceia do Senhor”, o Nazareno foi preso e elevado no Calvário.

Ora, a outra unção da cena da pecadora desenrolou-se em tempo mui recuado, anteriormente a vários acontecimentos: do Divino Mestre haver curado um endemoniado em Cafarnaum (Lucas capítulo 4: 31-37); de ter realizado a pesca maravilhosa (Lucas capítulo 5: 1-11); a cura de um leproso (Lucas capítulo 5: 12-13); de um paralítico em Cafarnaum (Lucas, 5: 17-26); e curar o servo do Centurião (Lucas capítulo 7: 1-10).

Tudo isso inequivocamente demonstra uma separação de muitos meses ou talvez anos entre a cena da "pecadora arrependida", citada por Lucas, com o acontecimento da unção de Nosso Senhor Jesus Cristo na “Aldeia de Betânia”, em fins do Messiado, esta última descrita por São João, capítulo 12: 2-3: “Deram-lhe, pois, ali, uma ceia; Marta servia, sendo Lázaro um dos que estavam com ele à mesa”; “Então Maria tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os cabelos; e encheu-se toda a casa com o perfume do bálsamo.” Todavia, cumpre assinalar, essa Maria da Vila Betânia não se tratava de Magdalena, porém, da irmã de Lázaro, como claramente informa São João: (capítulo 11, 1) “Estava enfermo Lázaro, de Betânia, da Aldeia de Maria e de sua irmã Marta. Esta Maria, cujo irmão Lázaro estava enfermo”, ficando assim evidentemente afastado o equívoco de atribuir-se à Santa Maria Magdalena a unção dos pés de Jesus, Nosso Cristo Redentor, feita pela pecadora na cena descrita por São Lucas em casa do Fariseu na Cidade, ou na Aldeia de Betânia realizada por Maria irmã de Lázaro conforme relato dos já mencionados Evangelistas.

Os sete demônios expulsos e a Fé da pecadora

Ocorre ainda, se a pecadora ficou inominada por Lucas, havendo sido despedida pelo Mestre, o mesmo não sucede com relação à Maria Magdalena, assim conhecida por ser natural da cidade de Magdala, encontrando-se claramente nomeada, segundo a narrativa desse Médico dos Apóstolos, identificando-a dentre: “As mulheres que serviam a Jesus”, conforme explanação contida no referido capítulo 8, não como a pecadora, mas sim claramente dizendo-a ser a: “mulher da qual saíram sete demônios” (capítulo 8: 1-3), lendo-se: “andava Jesus de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o Evangelho do Reino de Deus, e os doze iam com Ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria,
chamada Madalena, da qual saíram sete demônios; e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com seus bens.”

Da referência feita por Lucas, torna-se claro, quanto aos fatos relacionados à Santa Maria Magdalena, não se tratar da referida pecadora cujo nome não se sabe.

Haja vista, principalmente, antes de ser curada por Jesus, Maria Magdalena sendo possessa de demônios lhe era impossível a manifestação de espírito de fé, sendo esta a razão pela qual Jesus perdoara a pecadora quando lhe disse: “A tua fé te salvou; vai-te em paz.” (Lucas capítulo 7: 50).

Ademais, a possessão demoníaca conduzindo ao estado de loucura, impede, torna totalmente inviável a manifestação inteligente para atos de comércio como a prostituição requer, sendo impossível essa prática a uma alienada mental, desprovida consciência ou de vontade própria.

Após a expulsão dos 7 demônios que a subjugavam, Santa Maria Magdalena profundamente agradecida, juntamente com outras mulheres também curadas de várias enfermidades, passou a seguir o Divino Mestre, acompanhando-O em suas pregações da Boa Nova, servindo-O com seus bens, até o dia final do holocausto do Cordeiro de Deus no Calvário, onde permaneceu ao pé da Cruz junto a Nossa Mãe Santíssima, sendo a quem o Divino Filho do Deus Altíssimo primeiramente apareceu, naquela linda manhã de domingo, na Ressurreição.


Passagens bíblicas citadas neste texto

Lucas capítulo 7

v.36 – Convidou-o um dos fariseus para que fosse jantar com ele. Jesus, entrando na casa do fariseu, tomou lugar à mesa.
v.37 – E eis que uma mulher da cidade, pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com ungüento;
v.38 – e, estando por detrás, aos seus pés, chorando, regava-os com suas lágrimas e os enxugava com os próprios cabelos; e beijava-lhe os pés e os ungia com o ungüento.
v.48 – Então, disse à mulher: Perdoados são os teus pecados.
v.50 – Mas Jesus disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz.

Mateus capítulo 26

v.2 – Sabeis que, daqui a dois dias, celebrar-se-á a Páscoa; e o Filho do Homem será entregue para ser crucificado.
v.6 – Ora, estando Jesus em Betânia, em casa de Simão, o leproso,
v.7 – aproximou-se dele uma mulher, trazendo um vaso de alabastro cheio de precioso bálsamo, que lhe derramou sobre a cabeça, quando ele à mesa.
v.8 – Vendo isto, indignaram-se os discípulos e disseram: Para que este desperdício?
v.9 – Pois este perfume podia ser vendido por muito dinheiro a dar-se aos pobres.
v.10 – Mas Jesus sabendo disto, disse-lhes: Por que molestais esta mulher? Ela praticou boa ação para comigo.
v.11 – Porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes;
v.12 – pois, derramando este perfume sobre o meu corpo, ela o fez para o meu sepultamento.
v.13 – Em verdade vos digo: Onde for pregado em todo o mundo este evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua.

Marcos capítulo 14

v.1 – Dali a dois dias, era a Páscoa e a Festa dos Pães Asmos; e os principais sacerdotes e os escribas procuravam como o prenderiam, à traição e o matariam.
v.3 – Estando ele em Betânia, reclinado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher trazendo um vaso de alabastro com preciosíssimo perfume de nardo puro; e, quebrando o alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus.
v.4 – Indignaram-se alguns entre si e diziam: Para que este desperdício de bálsamo?
v.5 – Porque este perfume poderia ser vendido por mais de trezentos denários e dar-se aos pobres. E murmuravam contra ela.
v.6 – Mas Jesus disse: Deixai-a; por que a molestais? Ela praticou boa ação comigo.
v.7 – Porque os pobres, sempre os tendes convosco e, quando quiserdes, podeis fazer-lhes bem, mas a mim nem sempre me tendes.
v.8 – Ela fez o que pôde: antecipou-se a ungir-me para a sepultura.
v.9 – Em verdade vos digo: onde for pregado em todo o mundo o evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua.

João capítulo 12

v.1 – Seis dias antes da Páscoa, foi Jesus para Betânia, onde estava Lázaro, a quem ele ressuscitara dentre os mortos.
v.2 – Deram-lhe, pois, ali, um ceia; Marta servia, sendo Lázaro um dos que estavam com ele à mesa.
v.3 – Então, Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos; e encheu-se toda a casa com o perfume do bálsamo.
v.4 – Mas Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, o que estava para traí-lo, disse:
v.5 – Por que não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres?
v.6 – Isto disse ele, não porque tivesse cuidado dos pobres; mas porque era ladrão e, tendo a bolsa, tirava o que nela se lançava.
v.7 – Jesus, entretanto, disse: Deixa-a! Que ela guarde isto para o dia em que me embalsamarem;
v.8 – porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre o tendes.

------------------------------------------------------------

Publicado por Roberto Abraão ( Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. )

Autor do Texto:
Haroldo Bastos Lourenço
Rua Banibás, 74
05460-010 – São Paulo/SP – Brasil
Tel +55-0xx11-3031-8085
Fax +55-0xx11-3816-7216
Site www.befast.com.br/samama
E-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.